Aula 5: A santificação do crente

aula-51 Tessalonicenses 4:1-8
1 Finalmente, irmãos, nós vos rogamos e exortamos no Senhor Jesus que, como de nós recebestes, quanto à maneira por que deveis viver e agradar a Deus, e efetivamente estais fazendo, continueis progredindo cada vez mais;
2 porque estais inteirados de quantas instruções vos demos da parte do Senhor Jesus.
3 Pois esta é a vontade de Deus: a vossa santificação, que vos abstenhais da prostituição;
4 que cada um de vós saiba possuir o próprio corpo em santificação e honra,
5 não com o desejo de lascívia, como os gentios que não conhecem a Deus;
6 e que, nesta matéria, ninguém ofenda nem defraude a seu irmão; porque o Senhor, contra todas estas coisas, como antes vos avisamos e testificamos claramente, é o vingador,
7 porquanto Deus não nos chamou para a impureza, e sim para a santificação.
8 Dessarte, quem rejeita estas coisas não rejeita o homem, e sim a Deus, que também vos dá o seu Espírito Santo. A Bíblia diz que Deus é santo e exige do seu povo santidade (Lv 11:45 / 1Pe 1:16). Então o que é santidade? É a ausência de pecado. Portanto santificação é o processo realizado pelo Espírito Santo que torna o pecador santo diante de Deus. A santificação do crente é um processo longo, gradativo e constante.Nas duas primeiras lições deste curso, vimos que o homem era a imagem e semelhança de Deus (no caráter) e que perdeu esta identidade quando pecou tornando-se a imagem do pecado. Deus quer que o homem volte a ser a sua imagem e semelhança. Isso exige uma reeducação de caráter e de princípios, temos então de lutar contra a nossa natureza que foi corrompida pelo vírus do pecado. Está é a pior guerra, pois é uma luta contra si próprio (Gl 5:17).

1. A trindade humana

Da mesma maneira em que vimos que Deus é trino (trindade), nós, os seres humanos, somos também uma trindade formada por corpo, alma e espírito. Os animais não são uma trindade, pois são compostos de apenas corpo e alma.

O corpo veio do pó da terra e para o pó retornará (Gn 3:19). O seu papel na trindade é de escravo, não tem controle de si mesmo. O corpo é totalmente submisso e mortal.

A alma é o nosso sentimento e os olhos são a janela da alma. É a alma quem controla os cinco sentidos humanos (olfato, paladar, visão, tato e audição). O corpo não sente dor, quem sente é a alma. O corpo não pode enxergar, quem enxerga através do corpo é a alma e etc. O corpo é uma espécie de cápsula da alma e do espírito. A alma é imortal e inclinada para as coisas do mundo. Quando a Bíblia fala da morte da alma, fala no sentido espiritual (Ez 18:4 – aprisionamento eterno no inferno).

O espírito do homem é inclinado para as coisas de Deus. Ele é a nossa parte racional em contraste com as emoções da alma. O espírito tem sede de Deus, pois veio de Deus (Gn 2:7) e para Deus ele quer retornar. A palavra “homem” quer dizer “aquele que olha pra cima”. Dentro do coração no homem há algo que o faz olhar para o céu e refletir.

O apóstolo Paulo escreveu que dentro de nós há uma guerra feroz entre a alma e o espírito buscando o controle do ser (Gl 5:17). Se você fortalecer o seu espírito, ele governará a sua alma e por conseqüente o corpo, e você fará as coisas que agradam a Deus. Por outro lado, se você fortalecer a sua alma, ela se inclinará para o pecado e fará com que o espírito e o corpo cometam pecados maiores. Pois a Bíblia diz que o salário do pecado é a morte (Rm 6:23). Faz-se necessário que o cristão priorize urgente o seu espírito.

2. A regeneração

Quando o homem reconhece a Cristo como seu único e suficiente Salvador, ele é perdoado, lavado no sangue do Cordeiro e feito uma nova criatura (2Co 5:17). A nova criatura é regenerada pelo Espírito de Deus para ser santa e com livre acesso a Deus (Tt 3:5). O Espírito de Deus trabalha no coração do homem ensinando que ele deve abandonar os prazeres do mundo para se aproximar de Deus. Santidade e pecado não se misturam, são como água e óleo.

3. A santificação

Uma ovelha que se perde do rebanho, volta cheia de carrapichos precisando de cuidados. O homem quando vem do mundo de pecado, chega cheio de impurezas que ficam em sua lã e precisa ser cuidado. O pastor cuida da ovelha afim de restaura-la. Jesus é o nosso bom pastor (Jo 10:14-15).

Existem pecados que trazemos do mundo e que relutamos em deixá-los levando-os por anos a fio. Os casos mais comuns são os vícios (álcool, cigarro, drogas, jogatina, mentira, prostituição e etc). Se Cristo nos libertou do pecado, então o pecado não terá domínio sobre nós (Rm 6:14 / 1Co 6:12).

Apocalipse 22:11 declara: “quem é santo, santifique-se mais ainda e quem é sujo, se suje mais ainda”. Não existe meio termo, ou você busca a santidade em Deus ou mergulha no pecado. Entenda que o processo completo da libertação dificilmente acontece do dia para noite, na maioria dos casos demora-se muito tempo. Mas o crente tem que desejar e buscar a santificação. Não recomendamos o abandono dos vícios de uma só vez, mas gradativamente até que não se encontre mais nenhum vestígio do velho homem. Porem Deus é poderoso para operar uma libertação imediata segundo a sua vontade.

Davi certa vez perguntou a Deus: “Senhor, quem habitará no teu tabernáculo?”. E a resposta foi: “Aquele que anda em sinceridade, e pratica a justiça, e fala verazmente segundo o seu coração; aquele que não difama com a sua língua, nem faz mal ao seu próximo” (Salmos 15).

Pureza nas palavras, pensamentos e obras (Tt 1:15). Não podemos corrigir os outros se em nós há impurezas. Ficamos naquela palavra do mestre: “não julgueis para que não sejais julgados” (Lc 6:37 / Jo 7:24) – Julgar é impor uma sentença. Quem tem a responsabilidade de doutrinar a igreja é o pastor, pois é ele quem vai responder diante de Deus pelo rebanho que lhe foi confiado (Hb 13:17).

É da vontade de Deus que o crente seja santo, pois ele nos chamou para a santificação (Rm 1:7 / 1Pe 1:15-16). Note que a santificação não é opcional, ela é obrigatória para aqueles que querem entrar nas mansões celestiais.

Deus nos santifica pela Palavra, pelo Sangue de Cristo e pelo Espírito Santo (Hb 13:12 / Sl 119:9 / Rm 15:16; 8:1-2 / 1Pe 1:2).

Para muitos, ser santo atualmente é muito difícil, por causa da libertinagem, do erotismo explícito (na rua, na tv, nos rádios, nas escolas, no trabalho, na internet e até mesmo dentro dos templos evangélicos), das facilidades para se corromper e etc… Mas é aí que está o x da questão, para o cristão ser santo não precisa viver trancado ou refugiado no quarto da casa. Deus quer que demos testemunhos a este mundo de que ainda existem santos na terra, de que a igreja santa, perfeita e imaculada de Jesus Cristo, ainda está pregando o evangelho sobre a terra (Hb 11:38). Em Gênesis 5:21-24 a Bíblia nos conta uma história impressionante. Ela fala de Enoque que andou com Deus e não se viu mais, pois Deus para si o tomou. Enoque viveu 350 nesta terra, constituiu família gerando filhos e filhas (interação social) e viveu no meio de uma geração que seria destruída no dilúvio mais tarde. Segundo o exemplo de Enoque, é possível ser santo na atualidade com plena interação social (trabalhar, estudar, momentos de lazer e etc). Para sermos santos não precisamos nos isolar, mas manter a nossa mente cativa em Cristo.

Leia e medite:

Gn 5:21-24 / 2Rs 2:11 / 2Tm 2:22 / Tg 4:7 / 1Co 6:18 / Mt 26:41 / Hb 11 / 1Jo 4:4 / 1Jo 2:14.

Leia o capítulo 8 de Romanos


Pr.Bezaleel Campêlo
Bacharel e Pós em Teologia Bíblica