Aula 1: Conhecendo a Deus

aula-1Ao longo da existência humana, o homem sempre quis conhecer a sua origem e o seu propósito. Essa busca em sua grande maioria se deu de forma errada e ineficaz, mas Deus pelo seu grande amor se revelou a humanidade, rasgando uma cortina de mistério, trazendo respostas as nossas indagações. O homem se desviou de seu propósito original, mas Deus estendendo a sua mão nos trouxe salvação.

1) A Bíblia Sagrada

Para conhecermos a Deus, primeiro temos de conhecer a Bíblia Sagrada, pois é a traves dela que Ele se revela à humanidade. O homem não descobriu Deus, mas Ele próprio se revelou. Está escrito que a Bíblia ilumina o caminho para Deus (Sl 119:105) e alimenta a nossa alma (Jr 15:16).

A Bíblia é uma coletânea de sessenta e seis livros escritos durante cerca de quarenta séculos. Durante esse período, homens inspirados por Deus, escreveram esses livros sob orientação e inspiração direta de Deus. O Senhor é o autor da Bíblia Sagrada (Jr 1:12 / Is 34:16). Alguém certa vez disse: “A Bíblia é Deus falando com o homem; é Deus falando através do homem; é Deus falando como homem; é Deus falando a favor do homem, mas é sempre Deus falando”.

Para podermos entender a Bíblia, temos que crer sem duvidar, pois a dúvida impede a compreensão das Escrituras (Jo 14:21-25), temos que amá-la e valorizá-la (Pv 2:3-5 / 1 Pd 2:2). Os teólogos mais respeitados em todo o mundo consideram a Bíblia Sagrada como a legítima Palavra de Deus. As Escrituras nos ensinam que a Palavra de Deus é viva (Hb 4:12). Jesus é o “Verbo” de Deus, a pura essência da Palavra. Observe que João escreve a palavra “Verbo” com letra inicial maiúscula (Jo 1:1).

2) Quem Deus é

Deus é Espírito e também o Criador de todas as coisas (Gn 1:1 / Jo 4:24 / Hb 11:3). Tudo foi feito por Ele e para Ele (Rm 11:36 / Cl 1:16) e sem Ele, nada do que foi feito se fez (Jo 1.3). No versículo dois, vemos que Jesus, estava no principio com Deus. Ele é a própria vida. Isso revela que na criação, quando Deus falava “Haja”, o próprio Senhor Jesus entrava em ação e fazia as coisas acontecerem (Gn 1:3). Por isso afirmamos que a Palavra de Deus é viva (Jo 6:63).

Os atributos de DEUS revelam algumas de suas características que não são encontradas em nenhum outro ser:
a) Soberano: Deus é o supremo Senhor, o verdadeiro dono de tudo.
b) Eterno: Sem princípio e sem fim. Sempre existiu e sempre existirá.
c) Onisciente: Sabe e conhece todas as coisas.
d) Onipresente: Está em todos os lugares ao mesmo tempo.
e) Onipotente: É o único que pode todas as coisas (todo poderoso).
f) Imutável: Os céus e a terra passarão, mas as suas palavras não hão de passar. Deus não muda a sua opinião através dos séculos. Ele é o mesmo ontem, hoje e eternamente (Ml 3:6).

Deus é o “Criador” de todas as coisas (Gn 1:1) e tudo mais, seja físico ou espiritual, são obras de suas poderosas mãos. Nada surgiu por obra do acaso ou da evolução, tudo que existe partiu de algo e o ponto de partida de todas as coisas foi o próprio Deus, a fonte da vida dentro e fora do universo. Deus é Senhor de tudo!

3) A Trindade

O nosso Deus é trino, ou seja, três em um. A Trindade é composta pelo Pai (Jeová), Filho (Jesus Cristo) e o Espírito Santo. São três pessoas diferentes, mas juntos se completam. Só existe um Deus, um só Senhor e uma só fé (Ef 4:4-6), não existem três Deuses. Jesus certa vez disse: “Eu e o Pai, somos um (Jo 10:30)” e outra vez disse “quem vê a Mim, vê o Pai (Jo 14:9)”. Observe esta declaração: “Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim” João 14:6.

1º Exemplo: O ouro pode ser dividido em três partes iguais, que mesmo assim continuará sendo ouro. Serão três partes diferentes da mesma substância.

2º Exemplo: Em uma sala de aula cheia de alunos, quantas humanidades existem ali? Apenas uma, porém cada aluno é uma pessoa diferente.

Jeová é Deus (2 Sm 7:22), Jesus é Deus (Hb 1:8 / Fp 2:11) e o Espírito Santo é Deus (Jó 33:4 / I Co 2:11). Observe em Números 6:22-27, na benção sacerdotal, que ali o pronome “Senhor” é mencionado três vezes. Em Gênesis capítulo 1, vemos o Espírito de Deus (v.2), o Pai e a Palavra (v3) e o plural no versículo 26 “façamos” o homem conforme a “nossa” imagem e semelhança. A grande polêmica em torno da “Trindade Divina” é somente porque a palavra trindade não está escrita na Bíblia Sagrada. Mas, não é porque a palavra trindade não esteja escrita que a Trindade Divina não exista de fato. Acrescenta-se a tudo isso que a palavra trindade não era comum no tempo em que a bíblia foi escrita.

4) O amor de Deus

A Bíblia nos ensina que Deus é amor (I Jo 4.8). Deus nos ama de forma incondicional. Em Efésios 3.19 Paulo diz que o amor divino é tão imenso, que “excede a todo o entendimento” e João escreve que “quem não ama não conhece a Deus”. Porque se somos filhos de Deus, devemos aprender a amar a Deus e ao próximo. Quando aceitamos a Cristo, somos feitos nova criatura, gerados diretamente de Deus. Voltamos a ser a imagem e semelhança de Deus. E como nascidos de Deus, devemos amar.

Deus não é arrogante, sanguinário e nem oferece o inferno a ninguém, mas antes nos oferece o perdão e o céu. Ele nos deu o “livre-arbítrio” (o direito de escolha). Tudo depende da nossa escolha, ou escolhemos servir e desfrutarmos de uma intima comunhão com Deus ou então seguimos com os nossos próprios pés para o abismo no tormento eterno. Lembre-se que Deus gostava de conversar com Adão todos os dias no Éden (Gn 2:19). Jesus disse “não vos chamo mais de servos, mas de amigos (Jo 15:15)” e que por tanto nos amar, foi que enviou o seu Filho Jesus ao mundo (Rm 5:8). Deus é Pai daqueles que o reconhecem como Pai aceitando o sacrifício do seu filho Jesus na cruz do calvário, deixando para traz toda a corrupção e engano deste mundo (Jo 1:11-12), porém aquele que não crer que Jesus é a Verdade e a Vida (Jo 14:6) tem por pai o diabo, que é o pai da mentira (Jo 8:41-44).

5) O caráter de Deus

Deus é justo, santo e fiel a sua palavra. Ele não suporta o pecado, mas ama o pecador. Quem deseja andar com Deus, precisa abrir mão da corrupção do mundo e com a ajuda do Espírito Santo, mudar o modo de viver e de se relacionar com tudo e todos. Deus levará para si um povo santo, especial, zeloso e de boas obras (Tito 2.14).

Conclusão

O Deus Todo-Poderoso é real, o seu conhecimento é vastíssimo e quanto mais avança a ciência, mais se revela que a natureza segue leis, que o universo não é um caos e que tudo tem um propósito definido (Rm 1:20). Alguém criou tudo isso e definiu regras, e não fomos nós. Só nos resta então pela fé acreditar na Bíblia Sagrada quando fala sobre um Ser Supremo, Criador de todas as coisas. Tudo isso é a glória de Deus, profetizada por Isaías (Is 11:9).

Pr.Bezaleel Campêlo
Bacharel e Pós em Teologia Bíblica