Aula 11: O amor, a paz e o perdão

aula-11

Nesta lição iremos aprender sobre três princípios básicos que um verdadeiro discípulo de Jesus Cristo, deve observar: o amor, a paz e o perdão.

1. O AMOR (1 Co 13).

Alguns dicionários definem o amor como a inclinação da alma e do coração. Sabemos que existem três (3) tipos de amor:

a) Eros – É o amor carnal entre o homem e a mulher (Ct 8:6).
b) Philos – É o amor fraterno e paterno (1 Sm 20:17).
c) Agape – É o amor de Deus para com o homem (1 Jo 4:8). Continuar lendo

Aula 12: O arrebatamento da Igreja

aula-12

A escatologia (estudo das últimas coisas) é uma das matérias onde há diversas interpretações. O estudo que se segue é a interpretação da Comunidade Evangélica Céu dos Céus, em que não difere da interpretação das Assembleias de Deus.

1Ts 4:13-17

13 Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes com respeito aos que dormem, para não vos entristecerdes como os demais, que não têm esperança.
14 Pois, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também Deus, mediante Jesus, trará, em sua companhia, os que dormem.
15 Ora, ainda vos declaramos, por palavra do Senhor, isto: nós, os vivos, os que ficarmos até à vinda do Senhor, de modo algum precederemos os que dormem.
16 Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro;
17 depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor. Continuar lendo

O sonho do obreiro

Este texto falou profundamente ao meu coração. Espero que sirva de despertamento e reflexão de tua vida espiritual e ministerial também.

Apresentamos agora o Sonho do Obreiro, que ilustra as verdades salientes do Juízo do Tribunal de Cristo. Esse tal obreiro do Senhor, certa noite sentou-se no sofá, extremamente cansado dos seus muitos trabalhos. Muita gente havia se convertido. O obreiro sentia realmente grande alegria em trabalhar para Jesus!

O trabalho ia bem, e estava coeso debaixo da sua orientação. Seus sermões estavam fazendo grande efeito entre os ouvintes. A igreja estava superlotada. Cansando assim, o obreiro passou a dormir e sonhou que uma pessoa estranha entrou na sala sem anunciar ou pedir licença. Ela trazia consigo vários instrumentos para medir as coisas, como certos químicos e aparelhos diversos, que lhe dava um aspecto deveres estranho.

O estranho aproximou-se do obreiro a dormir, e, estendendo a mão lhe disse:

– Como vai o seu zelo?

O obreiro no momento pensou que o estranho estivesse falando de sua saúde. Mas não, a interrogação tinha a ver com o ZELO, a qualidade chamada “zelo”, com o qual qualquer obreiro trabalha.

Assim, ele logo respondeu que seu zelo era muito grande e não duvidou, nem por um minuto, que o estranho aprovaria na íntegra sua afirmação. Esperava ver aquele sorriso de aprovação total.

No sonho, o obreiro julgou que o zelo fosse uma coisa de qualidade física. Assim, meteu a mão contra o peito e retirou de si esse objeto, o zelo, e o apresentou ao estranho para ele fazer um exame minucioso do mesmo.

O estranho procedeu a colocar o “zelo” primeiramente na balança, dizendo:

– O zelo do senhor pesa 100 quilos!O obreiro logo sentiu uma certa satisfação ao saber que pesava tanto, mas então notou que o estranho mantinha um aspecto de pessoa um pouco atribulada. Ele não se definiu e se notava que logo em seguida faria outros testes e pesquisas.

Foi então que ele dividiu o montante do zelo em átomos e pôs tudo isso num cadinho, o qual foi posto no fogo. Quando a massa toda se fundiu, então o retirou do fogo e deixou-o esfriar. Quando estava frio, notou-se que se havia separado em camadas ou estratos. Após o homem da ciência bater de leve com o martelinho, tudo se separou. Então, cada camada foi novamente analisada e posta na balança par verificar o seu peso.

O estranho fazia muitas anotações enquanto se processava a pesquisa. Quando terminada a pesquisa, o estranho entregou ao obreiro todas as anotações, estando o seu semblante marcado por certa tristeza e apreensão, e compaixão ao mesmo tempo. Contudo, não lhe disse nenhuma palavra a não ser:

– Que Deus tenha misericórdia de você!

Com isso, saiu da sala e desapareceu. As anotações diziam o seguinte:

ANÁLISE DO ZELO DO SENHOR JÚNIO

Peso bruto ————————-100 quilos
Intolerância religiosa ————- 11 quilos
Ambição pessoal —————— 22 quilos
Amor aos elogios —————– 19 quilos
Orgulho denominacional ——– 15 quilos
Orgulho dos talentos ———— 14 quilos
Espírito autoritário ————– 12 quilos
Amor a Deus ——————— 4 quilos
Amor ao próximo —————- 3 quilos
Total —————————- 100 quilos

Naturalmente, o obreiro levou um susto muito grande. Tentou encontrar algum erro nas anotações, mas convenceu-se que estava tudo certo. Serviu para provocar nele uma atitude realmente positiva, pois o estranho havia demorado um pouco no corredor.

O obreiro soltou um grito dizendo, “Senhor, salva-me!” e, na mesma hora, ajoelhou-se ao lado do sofá, com o papel na mão, os olhos contemplando-o demoradamente.

De repente, o papel transformou-se em espelho e o obreiro viu no mesmo o seu próprio coração refletido. Estava tudo certo! Ele o reconheceu e o sentiu de perto. Confessou que foi verdade mesmo! Deplorou esse estado de coisas e buscou a graça de Deus, até as lágrimas, que Deus o ajudasse livrar-se do seu egoísmo.

No meio daquela angústia profunda, o Sr. Júnio acordou! Para livrar-se do inferno, ele já havia pedido ao Senhor, mas para se ver livre de si mesmo, essa foi à primeira vez que pediu tal coisa. Ele continuou em oração até que sentiu aquele fogo refinador ter feito a sua obrar, queimando tudo que não é de Deus e transformando o coração para a obediência total a Cristo.

Assim, irmãos, todos nós, lá no céu, estaremos aos pés de Jesus, o grande “Químico”, para Lhe agradecer ter revelado a nós os nossos defeitos e as nossas falhas.

Jesus, o nosso Mestre, espera de nós, Seus servos, uma mordomia fiel sobre as coisas a nós confiadas, conforme a revelação de Sua palavra.Bibliografia:

N. LAWRENCE, Olson. O plano Divino Através dos Séculos. Editora CPAD, 2002. Páginas 190 à 193.

Obs: Compre este livro! Recomendo.

Os cinco solas da Reforma

Sola Scriptura, Sola Christus, Sola Gratia, Sola Fide, Soli Deo Gloria.

SOLA SCRIPTURA: A Erosão da Autoridade

Só a Escritura é a regra inerrante da vida da igreja, mas a igreja evangélica atual fez separação entre a Escritura e sua função oficial. Na prática, a igreja é guiada, por vezes demais, pela cultura. Técnicas terapêuticas, estratégias de marketing, e o ritmo do mundo de entretenimento muitas vezes tem mais voz naquilo que a igreja quer, em como funciona, e no que oferece, do que a Palavra de Deus.

Os pastores negligenciam a supervisão do culto, que lhes compete, inclusive o conteúdo doutrinário da música. À medida que a autoridade bíblica foi abandonada na prática, que suas verdades se enfraqueceram na consciência cristã, e que suas doutrinas perderam sua proeminência, a igreja foi cada vez mais esvaziada de sua integridade, autoridade moral e discernimento.

Em lugar de adaptar a fé cristã para satisfazer as necessidades sentidas dos consumidores, devemos proclamar a Lei como medida única da justiça verdadeira, e o evangelho como a única proclamação da verdade salvadora. A verdade bíblica é indispensável para a compreensão, o desvelo e a disciplina da igreja.

A Escritura deve nos levar além de nossas necessidades percebidas para nossas necessidades reais, e libertar-nos do hábito de nos enxergar por meio das imagens sedutoras, clichês, promessas e prioridades da cultura massificada. É só à luz da verdade de Deus que nós nos entendemos corretamente e abrimos os olhos para a provisão de Deus para a nossa sociedade. A Bíblia, portanto, precisa ser ensinada e pregada na igreja. Os sermões precisam ser exposições da Bíblia e de seus ensino, não a expressão de opinião ou de idéias da época. Não devemos aceitar menos do que aquilo que Deus nos tem dado.

A obra do Espírito Santo na experiência pessoal não pode ser desvinculada da Escritura. O Espírito não fala em formas que independem da Escritura. À parte da Escritura nunca teríamos conhecido a graça de Deus em Cristo. A Palavra bíblica, e não a experiência espiritual, é o teste da verdade.

Tese 1: Sola Scriptura

Reafirmamos a Escritura inerrante como fonte única de revelação divina escrita, única para constranger a consciência. A Bíblia sozinha ensina tudo o que é necessário para nossa salvação do pecado, e é o padrão pelo qual todo comportamento cristão deve ser avaliado.

Negamos que qualquer credo, concílio ou indivíduo possa constranger a consciência de um crente, que o Espírito Santo fale independentemente de, ou contrariando, o que está exposto na Bíblia, ou que a experiência pessoal possa ser veículo de revelação.

SOLO CHRISTUS: A Erosão da Fé Centrada em Cristo

À medida que a fé evangélica se secularizou, seus interesses se confundiram com os da cultura. O resultado é uma perda de valores absolutos, um individualismo permissivo, a substituição da santidade pela integridade, do arrependimento pela recuperação, da verdade pela intuição, da fé pelo sentimento, da providência pelo acaso e da esperança duradoura pela gratificação imediata. Cristo e sua cruz se deslocaram do centro de nossa visão.

Tese 2: Solus Christus

Reafirmamos que nossa salvação é realizada unicamente pela obra mediatória do Cristo histórico. Sua vida sem pecado e sua expiação por si só são suficientes para nossa justificação e reconciliação com o Pai.

Negamos que o evangelho esteja sendo pregado se a obra substitutiva de Cristo não estiver sendo declarada e a fé em Cristo e sua obra não estiver sendo invocada.

SOLA GRATIA: A Erosão do Evangelho

A Confiança desmerecida na capacidade humana é um produto da natureza humana decaída. Esta falsa confiança enche hoje o mundo evangélico – desde o evangelho da auto-estima até o evangelho da saúde e da prosperidade, desde aqueles que já transformaram o evangelho num produto vendável e os pecadores em consumidores e aqueles que tratam a fé cristã como verdadeira simplesmente porque funciona. Isso faz calar a doutrina da justificação, a despeito dos compromissos oficiais de nossas igrejas.

A graça de Deus em Cristo não só é necessária como é a única causa eficaz da salvação. Confessamos que os seres humanos nascem espiritualmente mortos e nem mesmo são capazes de cooperar com a graça regeneradora.

Tese 3: Sola Gratia

Reafirmamos que na salvação somos resgatados da ira de Deus unicamente pela sua graça. A obra sobrenatural do Espírito Santo é que nos leva a Cristo, soltando-nos de nossa servidão ao pecado e erguendo-nos da morte espiritual à vida espiritual.

Negamos que a salvação seja em qualquer sentido obra humana. Os métodos, técnicas ou estratégias humanas por si só não podem realizar essa transformação. A fé não é produzida pela nossa natureza não-regenerada.

SOLA FIDE: A Erosão do Artigo Primordial

A justificação é somente pela graça, somente por intermédio da fé, somente por causa de Cristo. Este é o artigo pelo qual a igreja se sustenta ou cai. É um artigo muitas vezes ignorado, distorcido, ou por vezes até negado por líderes, estudiosos e pastores que professam ser evangélicos. Embora a natureza humana decaída sempre tenha recuado de professar sua necessidade da justiça imputada de Cristo, a modernidade alimenta as chamas desse descontentamento com o Evangelho bíblico. Já permitimos que esse descontentamento dite a natureza de nosso ministério e o conteúdo de nossa pregação.

Muitas pessoas ligadas ao movimento do crescimento da igreja acreditam que um entendimento sociológico daqueles que vêm assistir aos cultos é tão importante para o êxito do evangelho como o é a verdade bíblica proclamada. Como resultado, as convicções teológicas freqüentemente desaparecem, divorciadas do trabalho do ministério. A orientação publicitária de marketing em muitas igrejas leva isso mais adiante, apegando a distinção entre a Palavra bíblica e o mundo, roubando da cruz de Cristo a sua ofensa e reduzindo a fé cristã aos princípios e métodos que oferecem sucesso às empresas seculares.

Embora possam crer na teologia da cruz, esses movimentos a verdade estão esvaziando-a de seu conteúdo. Não existe evangelho a não ser o da substituição de Cristo em nosso lugar, pela qual Deus lhe imputou o nosso pecado e nos imputou a sua justiça. Por ele Ter levado sobre si a punição de nossa culpa, nós agora andamos na sua graça como aqueles que são para sempre perdoados, aceitos e adotados como filhos de Deus. Não há base para nossa aceitação diante de Deus a não ser na obra salvífica de Cristo; a base não é nosso patriotismo, devoção à igreja, ou probidade moral. O evangelho declara o que Deus fez por nós em Cristo. Não é sobre o que nós podemos fazer para alcançar Deus.

Tese 4: Sola Fide

Reafirmamos que a justificação é somente pela graça somente por intermédio da fé somente por causa de Cristo. Na justificação a retidão de Cristo nos é imputada como o único meio possível de satisfazer a perfeita justiça de Deus.

Negamos que a justificação se baseie em qualquer mérito que em nós possa ser achado, ou com base numa infusão da justiça de Cristo em nós; ou que uma instituição que reivindique ser igreja mas negue ou condene sola fide possa ser reconhecida como igreja legítima.

SOLI DEO GLORIA: A Erosão do Culto Centrado em Deus

Onde quer que, na igreja, se tenha perdido a autoridade da Bíblia, onde Cristo tenha sido colocado de lado, o evangelho tenha sido distorcido ou a fé pervertida, sempre foi por uma mesma razão. Nossos interesses substituíram os de Deus e nós estamos fazendo o trabalho dele a nosso modo. A perda da centralidade de Deus na vida da igreja de hoje é comum e lamentável. É essa perda que nos permite transformar o culto em entretenimento, a pregação do evangelho em marketing, o crer em técnica, o ser bom em sentir-nos bem e a fidelidade em ser bem-sucedido. Como resultado, Deus, Cristo e a Bíblia vêm significando muito pouco para nós e têm um peso irrelevante sobre nós.

Deus não existe para satisfazer as ambições humanas, os desejos, os apetites de consumo, ou nossos interesses espirituais particulares. Precisamos nos focalizar em Deus em nossa adoração, e não em satisfazer nossas próprias necessidades. Deus é soberano no culto, não nós. Nossa preocupação precisa estar no reino de Deus, não em nossos próprios impérios, popularidade ou êxito.

Tese 5: Soli Deo Gloria

Reafirmamos que, como a salvação é de Deus e realizada por Deus, ela é para a glória de Deus e devemos glorificá-lo sempre. Devemos viver nossa vida inteira perante a face de Deus, sob a autoridade de Deus, e para sua glória somente.

Negamos que possamos apropriadamente glorificar a Deus se nosso culto for confundido com entretenimento, se negligenciarmos ou a Lei ou o Evangelho em nossa pregação, ou se permitirmos que o afeiçoamento próprio, a auto-estima e a auto-realização se tornem opções alternativas ao evangelho.

Fonte: Declaração de Cambridge

Preparando uma geração para conquistar

O livro de Números nos apresenta lições interessantes, que nos mostra claramente o agir de Deus em meio às situações.

Israel acabara de sair da escravidão do Egito e rumava em direção à terra que manava leite e mel, prometida pelo Senhor. O povo havia presenciado grandes milagres operados por Deus sobre o Egito. Israel viu a forma como Deus humilhou os deuses egípcios. As dez pragas, a abertura do mar Vermelho e a derrota de Faraó e seu exército diante de seus olhos foram marcantes. Não havia dúvidas: Deus era Senhor em toda a terra!

Mas aquela geração perdeu a fé em Deus, ao olharem para as dificuldades descritas pelos espias que retornaram de Canaã. Acreditaram mais na impossibilidade de vencerem os gigantes cananeus do que no poder já comprovado do Senhor em situações anteriores mais intensas. O povo se rebelou e quis retornar para o Egito, provocando assim a ira de Deus (Nm 14.11). Por isso o Senhor rejeitou aquela geração no deserto e os impediu de entrar na terra prometida (Nm 14.21-24).

A partir de então o Senhor começou a preparar uma nova geração para conquistar a terra de Canaã. Uma geração que não iria temer diante dos seus inimigos, mais que confiaria no Senhor para conquistar toda aquela terra.

É bom deixar claro, que o Senhor não matou aqueles murmuradores sem fé no deserto, mas os esperou morrer num prazo de quarenta anos, provando a sua misericórdia.

Uma geração de conquista tinha que estar preparada para a batalha. O Senhor precisava treinar aquele novo exército, dando-lhes experiência de combate. Por isso situações surgiram em que nações se levantaram para guerrear contra o povo de Deus no deserto, mas tudo era plano de Deus para o refinamento militar daquela geração. Aquela geração precisava de um general, um líder de conquista. E Josué provou o seu valor sendo treinado em situações de combate reais no deserto.

Aquela nova geração possuiu a terra, conquistou-a. Partiram sem medo e com muita fé em Deus em direção ao inimigo. Subjugaram os povos cananeus e tomaram posse da promessa. Viram a promessa se cumprir diante de seus olhos. Fizeram parte da história como heróis e conquistadores.

Ainda hoje o Senhor tem preparado a sua igreja para conquistar, não mais uma cidade terrena, mas uma Jerusalém celestial. Pois o reino dos céus é tomado à força. Por isso o crente passa por aflições neste mundo, experimenta a dor, a decepção e as afrontas do adversário. Mas tudo isso nos sobrevêm não para nos aniquilar, mas para nos dar experiência, para nos preparar para a conquista da maior vitória que um ser humano pode obter que é entrar nos céus pelas portas, tomando posse da promessa, andando rumo à vitória pelo novo e vivo caminho que diante de nós surgiu pelo sangue de Jesus nosso Senhor.

Irmão glorifique ao Senhor nas suas provas. O Senhor estar te treinando com inimigos fracos, para que você venha aprimorar as suas técnicas de combate para combater os gigantes que irão aparecer e irão tombar diante de ti em nome de Jesus. Não tenhas medo. O Senhor está no controle desta situação e a vitória é tua. Pequenas lutas; pequenas vitórias. Grandes lutas; Grandes vitórias. De grão em grão a galinha enche o papo e fica mais forte. Essas lutas vieram para te fortalecer e são pequenos testes para o tempo de vitória determinado por Deus para a sua vida. Creia nisso e treine com muita dedicação, pois não há chance do inimigo te vencer em nome de Jesus.

Cristãos, avante e sempre! Aquele que vencer herdará todas as coisas. Passe por cima dele como um rolo compressor e siga em frente. Siga para a vitória em nome de Jesus!

A igreja e a sensualidade

A sensualidade tem entrado na igreja de mansinho e esfriado o amor de muitos, fazendo-os voltar os olhos para o pecado. Sabemos que um abismo chama outro abismo (Sl 42:7) e que o salário do pecado é a morte (Rm 6:23). O espírito da sensualidade tem invadido a igreja de uma forma assustadora, é importante lutarmos contra ele, com fé, oração, santidade e pregando a Palavra de Deus que é a espada do Espírito.

1. O que é a sensualidade.

Segundo o dicionário Aulete, sensualidade é: (1) Referência aos sentidos ou aos seus órgãos; (2) Que tem ou revela sensualidade; que desperta o desejo, que excita, ou que atrai sexualmente (mulher sensual; sorriso sensual; jeito sensual; roupa sensual); (3) Que procura os prazeres dos sentidos.

2. Porque a sensualidade é pecado.

A sensualidade visa agradar os desejos da carne e produz uma forte tentação no indivíduo. O risco está em ceder à tentação, seja em pensamentos (desejos pecaminosos) ou no ato sexual (adultério ou fornicação). Vemos a sensualidade na televisão, na internet, na rua, no trabalho e até dentro dos templos evangélicos. Jó disse: “fiz uma aliança com os meus olhos” (Jo 31:1). A Bíblia condena a sensualidade (Rm 1:27 / Jd 1:19).

A sensualidade desperta em nós a concupiscência (forte desejo pelo pecado):

Gálatas 5:16 “Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne”.

1 João 2:16 “porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo”.

1 João 2:17 “Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente”.

3. Como evitar a sensualidade.

O apóstolo Pedro adverte aos irmãos para que sejam sóbrios (1 Pd 4:7 / 5:8), pois o adversário está em derredor procurando a quem possa tragar. Sobriedade é ser moderado, prudente e discreto. A sensualidade atinge homens e mulheres, por isso é importante que ao vestir-se, ore e pergunte a Jesus se ele se agrada das tuas vestes. Jesus vai voltar, esteja preparado! Atraia os olhares das pessoas para a tua inteligência, sabedoria, beleza e simplicidade, mas não para o teu corpo. O corpo é para agradar ao cônjuge e a Deus em santidade.
Romanos 12:1 “Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional”.

Conclusão

Sabemos que se somos livres do pecado e ele não tem mais domínio sobre nós (Rm 6:14). Há um hino antigo que diz que “o pecado não dói”, mas ele mata! Que sejamos fiéis a Deus em tudo, e que possamos dizer: “BENDIZE, ó minha alma, ao SENHOR, e tudo o que há em mim bendiga o seu santo nome” (Salmos 103:1). João escreveu: “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele” (I João 2:15). Vista-se da melhor maneira possível, segundo a tua consciência, de um modo que te faça sentir bela e confortável, mas nunca uma devassa. Abraços!

Alienígenas não existem!

Não acredito que exista outra raça física no universo, que de tão evoluída possua naves e explore o espaço sideral, chegando até a nossa longínqua galáxia. E, uma vez chegando aqui, façam experiências traumáticas com os terráqueos. Isso é pura maldade e Deus não permitiria isso!

Se eles são maus, como dizem, já estariam no inferno, que é a lixeira do universo, visto que os anjos que pecaram foram para lá. Acredito que isso é fantasia de quem não vai à Igreja e quer acreditar em qualquer coisa. E, se realmente contemplam alguma coisa, são demônios que contemplam. Pois, a Bíblia diz que Satanás pode se transformar em anjo de luz, para se possível for enganar os escolhidos.

Bom, não me refiro aos Objetos Não Identificados, que podem ser qualquer coisa, até mesmo um balão meteorológico ou uma pipa estranha no ar, que de tão estranha não sabemos dizer ou afirmar se aquilo é uma pipa ou uma raia. Refiro-me a supostas manifestações, ou aparições de alienígenas na terra.

Pense comigo: Dizem que esses seres fazem experiências e até sexo com os seres humanos, procurando com isso criar uma raça “superior” ou apenas pela simples manipulação genética. A Bíblia não fala que Deus tenha criado outras raças e semeado o universo e nem que essas raças tenham se rebelados contra ele. Bom, se esses alienígenas que fazem essas maldades existem, não podem ser de Deus, pois Deus é amor. Toda a maldade vem do coração de Satanás. Jesus disse que o mentiroso, tem por pai o Diabo, pois nele surgiu o pecado e toda forma de maldade.

Sinceramente acredito que tem muita gente vendo demônios ou alucinações por aí e isso não é difícil, já que em certos locais sagrados se tem contato com “entidades espirituais” de todos os tipos. Há muitos que mentem sem pudor!

Homenzinhos verdes? Dizem que os “cinza” são os piores. Porém se um deles quiser sentir emoções fortes e cruzar o meu caminho, vai se arrepender por toda a eternidade, pois o repreenderei em nome de Jesus, nome qual tem todo o poder no céu e na terra, e este demônio (verde ou cinza) vai acertar a porta do inferno rapidinho. Queima esse demônio, Jesus!

Irmão, não creia nas mentiras de Satanás, ele está aí mesmo para cumprir o seu propósito, que é roubar, matar e destruir. A verdade é que o inferno é pouco em comparação ao “lago de fogo” que o Senhor preparou para lançar Satanás, os demônios e todos aqueles que os seguem.

O povo que o Senhor Jesus levará para si como a sua Igreja amada, comprada com o seu sangue, herdará “todas as coisas”. Isso inclui o universo, com todos os planetas, estrelas, galáxias, os novos céus e a nova terra. Além das outras “dimensões” que ainda não nos foram reveladas.

Quanto a teoria do “astronauta do passado” é apenas mais uma forma de se negar a atuação de Deus como o Criador, tal qual a Teoria da Evolução que até hoje ainda não passou de teoria. O meu Deus não é o astronauta do passado e não permitiu que algum astronauta do passado viesse a Terra criar ou manipular qualquer coisa. Está escrito e eu creio: “Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém!” Romanos 11:36.

“No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez” (João 1:1-3).

Deus nunca esteve distante da humanidade. Ele sempre esteve aqui e os anjos também! A verdade é que nunca antes se acreditou tanto em vida fora da Terra, e isso é um sinal dos últimos tempos, pois sem saber, o mundo está se preparando para a volta de Jesus. E quando isso acontecer o mundo talvez diga que alienígenas abduziram multidões, que Jesus e os santos anjos de Deus são a prova definitiva do astronauta do passado e que a nova Jerusalém que descerá dos céus é a sua nave. Uma coisa é certa: o mundo atual está se voltando para o estudo do sagrado e de certa forma estão procurando Deus!

Atos 17:24-31

24 O Deus que fez o mundo e tudo que nele há, sendo Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos de homens.
25 Nem tampouco é servido por mãos de homens, como que necessitando de alguma coisa; pois ele mesmo é quem dá a todos a vida, a respiração e todas as coisas;
26 e de um só fez toda a geração dos homens para habitar sobre toda a face da terra, determinando os tempos já dantes ordenados e os limites da sua habitação,
27 para que buscassem ao Senhor, se, porventura, tateando, o pudessem achar, ainda que não está longe de cada um de nós;
28 porque nele vivemos, e nos movemos, e existimos, como também alguns dos vossos poetas disseram: Pois somos também sua geração.
29 Sendo nós, pois, geração de Deus, não havemos de cuidar que a divindade seja semelhante ao ouro, ou à prata, ou à pedra esculpida por artifício e imaginação dos homens.
30 Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, em todo lugar, que se arrependam,
31 porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do varão que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dos mortos.

Fique na paz e não tenha medo do escuro. Os anjos do Senhor estão do seu lado e eles não são cinza e nem verde, mas seres de luz, que refletem a luz de Cristo. Eles não podem se revelar a você sem que Deus o permita. Se o Senhor quiser falar contigo, ele enviará outro anjo mensageiro, se não usar um servo seu aqui na terra.

Abraços!!!

A justificação pela fé em Jesus

Desde a queda do homem no Éden, o pecado entrou no mundo submetendo toda a raça humano sob o seu domínio. Por isso escrito está: “todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Rm 3.23). E, em vez de voltar-se para Deus em busca do perdão e salvação, a raça humana mergulhou cada vez mais no oceano do pecado, irritando ao Senhor, atraindo para si o dilúvio, como recompensa pelos seus atos. E mesmo com a salvação de Noé e toda a sua família, a natureza humana provou mais uma vez que estava corrompida pelo pecado.

Deus chamou a Abraão e consigo fez uma aliança de que iria abençoar e restaurar a raça humana através de sua descendência. Abraão creu nas palavras do Senhor e foi salvo pela sua fé.

Após a saída de Israel do Egito, Jeová enviou a sua Lei através de Moisés, afim de mostrar que o pecado estava enraizado na natureza humana e era isso que o distanciava cada vez mais. Mas, a Lei era incapaz de operar o milagre da regeneração e do novo nascimento, porém também não era este o seu propósito.

Por muito tempo acreditou-se que se cumprindo fielmente a lei, se alcançaria a salvação. Porém homem nenhum foi salvo pela Lei. Também se acreditou que sendo filho de Abraão segundo a carne, se alcançaria a salvação, e isso também não era verdade. Também se acreditou que fazendo boas obras alcançariam a salvação, e isso também não era verdade.

Cristo segundo a descendência de Abraão, vindo como cumprimento da promessa de Deus ao patriarca, mostrou que a Lei era incapaz de mudar a natureza humana, que o milagre do novo nascimento e da regeneração humana só poderia acontecer pela fé no sacrifício perfeito do Cordeiro de Deus.

Pela fé no sacrifício de Cristo, temos para com Deus o nosso histórico de pecados totalmente apagado. Somos declarados inocentes e justos pelo poder purificador que há no sangue de Jesus, a qual tomamos posse desta vitória pela fé e não por obras, méritos ou descendência segundo a carne.

Um Novo Testamento então surgiu, uma nova Lei de Vida chegou e uma Nova Aliança entrou em vigor e um novo caminho se nos abriu pelo qual temos novamente livre acesso a Deus, por sua graça o qual nos redimiu pelo sangue de seu Filho Unigênito.

A salvação é um dom gratuito de Deus, que pelo qual não temos como pagar, apenas reconhecer que o seu amor foi capaz de oferecer tamanha dádiva.

Este é o nosso tempo, o tempo da Igreja, o tempo dos gentios. A salvação está sendo proclamada a todos os povos, línguas e nações. Que todos possam compreender o real significado deste amor, desta graça, para que possam entrar nos céus por esse novo e vivo caminho, como a noiva do Cordeiro de Deus.

Fui justificado por Deus, declarado inocente e toda a minha dívida foi perdoada. Sou livre para o adora-lo, para o ama-lo e para dizer que só o Senhor é Deus. Deus que sara, restaura, vivifica, liberta e leva o homem para céu. Amém!

O futebol e a idolatria

Qual o menino, nascido neste país, que nunca sonhou em jogar na seleção brasileira de futebol? Conhece algum menino que não aprecie futebol? É raro, mas existe. Resumo: o futebol é paixão nacional.

Que mal há em ir ao estádio de futebol e levar a família para assistir uma bela apresentação de seu time favorito? Que mal há em reunir os amigos no final de semana e marcar uma “pelada”? Que mal há em admirar o talento de jogadores diferenciados? Não há mal algum e nem há pecado nisso.

O esporte é algo salutar e deveria ser encorajado em nossos púlpitos, para que os nossos jovens e adultos fugissem da obesidade e do sedentarismo. O apóstolo Paulo nos comparou a atletas que correm em busca da vitória e nos encorajou ao dizer: Correi de tal forma que o alcanceis. Esporte é saúde, meu irmão.

Mas há algo que devemos considerar para não tropeçarmos e assim transformarmos bênção em maldição. Cristo nos libertou do jugo, da escravidão, dos vícios do pecado e sabemos que quem está em Cristo, nova criatura é. Sabemos que não vivemos mais sob o domínio do pecado e por isso ele não pode nos dominar. Está difícil de entender? Eu explico.

Tudo que vicia é pecado. Não posso deixar os vícios controlarem novamente a minha vida e por isso tenho que ser sábio e prudente. A bíblia diz: Buscai primeiro o reino de Deus e a sua justiça e as demais coisas serão acrescentadas. É justamente neste ponto que vemos se já somos idólatras ou somos livres. Vem aí o “brasileirão 2007”, muitos clássicos rolarão a partir das 18:00hs e irão até as 19:45hs aproximadamente. No domingo, na sua igreja, o culto começa as 18:00/19:00, sendo que neste horário estará passando um jogão. Um jogo daqueles de parar a cidade, o Estado e até o país. E então o que você faz, chegará na igreja pontualmente ou chegará após o jogo? Se você optar por honrar ao Senhor e abrir mão do jogo, então o jogo não tem controle sobre a sua vida. Mas se preferir o jogo a ir à igreja, isso mostrará na prática que você ama mais o jogo do que a Deus e automaticamente estarás colocando Deus em segundo lugar na sua vida. Só que Deus não aceita o segundo lugar na vida de ninguém.

Está escrito: “aos que me honram, honrarei; porem aos que me desprezam, serão desprezados”. Ao ter aberto mão de chegar à igreja no horário certo, você automaticamente cometeu o pecado de idolatria e o que é o pecado de idolatria se não amar qualquer outra coisa mais do que a Deus? Os idólatras não entrarão no reino dos céus.

Está escrito: “Não ameis o mundo e nem as coisas que no mundo há; porque se alguém ama o mundo o amor do Pai não está nele”. Entende isso?

Quantos idólatras enganando a si mesmo, dentro da casa do Senhor, perdendo o seu tempo e nada mais. Não adianta pedir perdão a Deus se vives na prática do pecado. As ações contam para Deus muito mais do que as palavras. Nunca leste que a fé sem obras é morta? Em uma passagem em Isaías, está escrito: Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim.

Durante as partidas de futebol, surgem muitos palavrões, muitas palavras torpes e isso não convém estar nos lábios de um crente santo. Está escrito que a boca só fala do que o coração está cheio, se você xinga palavrões o seu coração está altamente impuro, porque o xingamento não veio dos lábios, mas do coração. Da mesma fonte (boca), não pode jorrar bênção e maldição, escrito está.

Se quiser jogar futebol, jogue, mas não deixe o futebol dominar você. Não deixe o jogo te dominar, meu irmão, porque isso é vício e isso invalida o sangue de Jesus na tua vida. Por que preferir mais o mundo do que a Deus?

Durante a final da Copa de 2002, eu era professor da Escola Dominical, em minha congregação e deu para contar nos dedos a quantidade de crentes que compareceram. Se a EBD fosse cancelada, estaríamos na prática, através das obras, dizendo ao Senhor que o futebol era mais importante que o ensino das sagradas escrituras.

Jesus nos ensinou a não gastar dinheiro com aquilo que não é pão. Jogos de azar é totalmente proibido. Não combina conosco. Existem muitos crentes que jogam apostando dinheiro e depois querem que a janela do céu se abra e Deus abençoe as suas finanças. Mas como, se é o próprio irmão quem está trazendo o mal para a sua vida?

Corra, jogue vôlei, futebol, tênis e etc. Mas, não deixe o esporte dominar a sua vida e nem que ele ocupe o lugar de Deus no teu viver. Viva para Deus e siga em frente!

Se não tem forças para vencer, peça ajuda ao seu pastor, entre em uma campanha de oração e a libertação virá. O mesmo Deus que me libertou vai libertar você. Creia nisso, para a glória de Deus! Amém.

Filemon – Intercessão por um escravo

Contexto Histórico

O apóstolo Paulo foi um dos fundadores da igreja em Colosso, quando de suas viagens missionárias por lá esteve. De acordo com o versículo 2, a igreja funcionava na casa de Filemom, pelo qual Paulo nutria uma grande consideração.

Nesta epístola, podemos destacar três personagens: Filemom, Paulo e Onésimo. Filemom era um irmão de condições financeiro muito bom, haja vista que possuía servos e um desses servos era chamado de Onésimo. Por motivos desconhecidos, não mencionados na epístola, Onésimo resolve fugir de seu senhor, provavelmente levando consigo alguns pertences ou dinheiro a fim de auxiliá-lo na fuga (v. 18-19).

Em sua fuga, Onésimo vai para Roma e acaba se encontrando com Paulo, que estava provavelmente em prisão domiciliar naquela cidade. Ele se converte a Jesus, é transformado pelo evangelho de tal maneira que Paulo desejou reter-lhe para ajudar como um auxiliar na obra missionária. Mas tal atitude não seria correta sem o conhecimento e a aprovação de Filemom (v.13-14).

Uma vez amadurecido em sua vida espiritual, consciente de seu erro perante o seu senhor, Onésimo sabe que ao pode viver fugindo para sempre e precisa se apresentar, mesmo ciente que corria risco de morte. Pois de acordo com as leis em vigor naquela época, o senhor de escravo poderia proceder como bem parecesse aos seus olhos em relação ao escravo fujão capturado, inclusive impor a pena capital. Paulo ciente da gravidade da situação envia Onésimo ao seu senhor, mas com uma carta de recomendação, intercedendo pela vida daquele.

Contexto Espiritual

Simbologia – Os três personagens em destaque tipificam bem a relação entre o homem e Deus. O homem foi criado por Deus, mas contra o seu Senhor se rebelou, sabendo que o salário do pecado é a morte. O erro do homem trouxe sobre si a morte como recompensa de seus erros, pois Deus não tem o culpado por inocente. O homem não tem recursos para pagar a sua dívida com Deus, não tem pelos seus próprios meios como se justificar diante de Deus. É então que surge a figura de Jesus, se oferecendo como mediador entre Deus e o homem, intercedendo diante de Deus pelo homem, assumindo e pagando toda a dívida do homem para com o seu Criador.

Aplicação Prática

Jesus nos redimiu para Deus, nos resgatou, pagando a nossa dívida com sangue na cruz do calvário. E todo aquele que tomar posse desse sacrifício, também terá os seus pecados perdoados.

Todo aquele que se converte a Jesus, recebe a salvação. Deus perdoa o pecador pelo sangue de Jesus, mas não apaga as consequências do pecado. É preciso que o homem esteja em dia com as leis de seu país, se apresentando e cumprindo a pena pelos seus atos do passado, mesmo que já tenha se convertido a fé cristã, para que o nome de Jesus não seja escandalizado entre os gentios.

Ainda hoje há muitos que perecem sem Deus e marcham para a morte eterna e receberão a recompensa pelos seus pecados no Juízo Final, mas para aqueles que creem em Jesus, ainda há perdão. Pois a mão Senhor não está encolhida para que não possa salvar.